Jacy Afonso: FT e Economist são instrumentos de desinformação

Há exatos três anos (19/05/2014), o hoje coordenador da Articulação Unidade na Luta, Jacy Afonso, esteve em Berlim representando a CUT em um debate promovido pela Central Sindical Internacional, hoje presidida pelo CUTista João Felício.

Naquela época, Jacy falava algumas coisas relacionadas a grande mídia que cabem muito bem nos dias de hoje.

Leia a matéria do Portal Brasil 247 sobre o assunto:

Dirigentes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) denunciaram nesta segunda-feira 19 que os grandes conglomerados de comunicação, em especial o jornal Financial Times e a revista The Economist, os dois veículos britânicos, têm atuado como instrumentos de desinformação e desestabilização da economia brasileira. A crítica foi feita durante o III Congresso da Confederação Sindical Internacional (CSI), que reúne 1.500 delegados de 161 países em Berlim, na Alemanha.

Na plenária Emprego Sustentável e Proteção Social, o secretário de Organização da organização, Jacy Afonso, reiterou a denúncia contra os monopólios midiáticos, frisando que o “Financial Times” e a “The Economist” têm atuado contra os interesses do Brasil e do povo brasileiro ao buscar desestabilizar a economia.

Compartilhando a mesa com sindicalistas da Bulgária, Espanha e Grécia – países cujas economias foram devastadas pela crise -, Jacy sublinhou o papel das centrais sindicais brasileiras que, ao construir uma política de valorização do salário mínimo junto ao governo Lula, impulsionaram o crescimento do mercado interno. “Desta forma saímos do círculo vicioso dos governos neoliberais de Collor e Fernando Henrique Cardoso para um círculo virtuoso da economia nos governos Lula e Dilma. Foi essa política que permitiu que o salário mínimo tenha subido 75% nestes últimos 11 anos, o que significou um aumento real para 32 milhões de trabalhadores, incluindo os aposentados”, declarou Jacy Afonso.

Segundo o dirigente, “este é o maior acordo coletivo do mundo, que ajuda o conjunto da economia, pois fez com que os demais trabalhadores recebessem também”. “O papel do Estado na recuperação do poder aquisitivo proporcionou este avanço, mobilizando os bancos públicos com o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para garantir crédito às empresas, o que garantiu a geração de 20 milhões de empregos formais em 11 aos, quase dois milhões ao ano. E isso só foi possível devido à ação unitária do movimento sindical, que se enfrentou com a verdadeira lavagem cerebral, com o atraso do ponto de vista ideológico que é divulgado diariamente pelos meios de comunicação”, concluiu Jacy Afonso.

Anúncios

Deixe um comentário ou enviei um e-mail para: auldf13@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s