Ato na UnB reafirma unidade em defesa das universidades públicas

A continuidade do combate contra o desmonte da educação, em defesa das Universidades públicas e em oposição à demissão de centenas de terceirizados foi reafirmada na manhã desta quarta (2) em ato unificado na Universidade de Brasília. Encabeçado pelo Sintfub, protesto reuniu estudantes, trabalhadores, e movimentos sociais e sindicais, que deixaram claro que não aceitarão as políticas de ajustes fiscais do governo ilegítimo de Michel Temer.

Atualmente, as universidades públicas do país sofrem amargamente com a redução dos recursos destinados à manutenção dos serviços básicos. O corte gira em torno de 45%. Na UnB, além desse agravante cenário, os funcionários terceirizados vivem sob constante ameaça de demissão. Cerca de 200 trabalhadores, inclusive, estão em aviso prévio e a tendência é que esse número aumente.

A vice-presidente da CUT Brasília e dirigente do Sinpro-DF, Meg Guimarães, destacou que a luta em defesa da educação deve ser compromisso de toda a sociedade. Para ela, o desmonte do serviço público compõe a agenda de entrega do patrimônio público à iniciativa privada.

Já Maria Isabel, presidente do Sindserviços, apontou que há outras formas de resolver o déficit da instituição, sem que prejudique o trabalhador. Para ela, a estruturação deve partir de cima e não deixando centenas de desempregados. “Enfraquecer a universidade e seus serviços prestados é deixar os brasileiros carentes de informação e formação como era no passado”, avaliou.

A mesma avaliação fez o presidente da CUT Brasília, Rodrigo Britto. “Os cortes orçamentários, as medidas contra a educação em todas as esferas, a reforma do Ensino Médio, o congelamento de recursos à educação e a precarização de todas as universidades nada mais são que um conjunto de ações do governo para deixar a população sem capacidade de juntar o conhecimento científico ao senso comum e formar uma opinião crítica. Dessa forma, torna-se apenas massa de manobra, servindo de mão de obra barata para o capitalismo”, analisou.

O coordenador-geral do Sintfub, Mauro Mendes, por sua vez, ressaltou a entidade tem dialogado com a reitoria da UnB e buscado novos caminhos de resolver a situação sem que haja demissão dos trabalhadores. “Entendemos que o desmonte que o governo Temer está fazendo com as universidades no país não afeta apenas estudantes e terceirizados, é, sobretudo, nefasto a todo conjunto da sociedade civil. Por isso, é preciso muita unidade para combater esses ataques.

Além desse ato, novas atividades serão realizadas na próxima semana para denunciar o desmonte da educação e das universidades públicas. Entre as ações, uma assembleia deliberativa está agendada para terça (8). O objetivo é manter a categoria mobilizada e atenta aos ataques.  Outro movimento importante é uma panfletagem junto aos estudantes na terça segunda (7), data prevista para início do semestre letivo.

Fonte: CUT Brasília

Anúncios

Deixe um comentário ou enviei um e-mail para: auldf13@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s