Brasil, o país do Itaú

Do O Cafezinho

Segundo o mapa abaixo, elaborado pela consultoria britânica Brand Finance, apenas dois lugares no mundo tem bancos privados como a marca mais valiosa em seus respectivos países: Brasil e Espanha.

Em outros países onde bancos aparecem como principal marca, como Rússia e China, as instituições pertencem ao governo e são ligadas fortemente às políticas públicas de fomento à infra-estrutura.

Courtesy of: Visual Capitalist

Na Espanha, a principal marca é o Santander, um banco internacional, fundado em 1857, com quase 4 milhões de acionistas e atuação no mundo inteiro. Ganha na escala, visto que o juro básico da Espanha, se eu entendi direito, é praticamento zero. Segundo o noticiário, a Espanha voltou a crescer por conta do aumento da oferta de crédito e juros baixos.

Todos os diretores do Santander, somados, detêm apenas 0,66% das ações do banco, cuja estrutura acionária, portanto, é fortemente pulverizada. É um banco com gestão fundamentalmente profissional. A principal acionista do banco, a senhora Ana Botín-Sanz de Sautuola y O’Shea, detèm apenas 0,125% das ações do banco com direito a voto.

A marca mais valiosa do Brasil, segundo o estudo, é o banco Itaú, um grupo hoje controlado por duas famílias, os Moreira Salles (Unibanco) e os Setubal (Itaú), que fundiram suas companhias para dominar o mercado bancário nacional. O Itaú opera num país que possui a maior taxa de juros real do mundo.

Segundo a estrutura de “shareholders” divulgada no próprio site do banco, os controladores detêm 91% das “common shares” do banco.

Itaú e Bradesco são os principais patrocinadores do governo Temer. São as únicas empresas, junto com a Globo, que vem expandindo seus lucros. No site do Itaú, vemos uma defesa ardente (em português e inglês) de todas as reformas propostas por Temer, incluindo a PEC 55, que limita gastos por 20 anos.

Segundo o site Donos do Congresso, o principal beneficiário das doações do Itaú em 2014 foi o ex-governador de Minas, Antonio Anastasia, eleito senador, que recebeu R$ 400 mil do banco.

O Itaú tem um segredo, que a mídia brasileira trata com infinita discreção. A famíila Salles é proprietária das reservas brasileiras de nióbio. No google, encontrei apenas uma reportagem de 2013, do Valor, informando que o nióbio já rendeu mais de US$ 13 bilhões para a família Salles, que aparecia à época como mais rica do Brasil, segundo o ranking da Bloomberg.

O Brasil – leia-se o Itaú – controla 98% das reservas mundiais de nióbio. Nenhum país do mundo consegue entender como o país, detendo o monopólio de um minério tão estratégico, usado na indústria aérea, automobilística, em aços de alta resistência, em satélites, essencial para fins militares, nucleares, etc, não tem uma política específica para a exploração desse minério, que é, naturalmente, uma importante moeda geopolítica nacional.

Anúncios

Um comentário

Deixe um comentário ou enviei um e-mail para: auldf13@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s