Olga Freitas: Assim caminha a educação na república de Rollemberg

Ladeira abaixo… assim caminha a educação pública no Distrito Federal. O noticiário local dos últimos dias deu  conta de que, no período 2015-2017,  (des)governado por Rodrigo Rollemberg, do PSB,  os investimentos em educação despencaram 44,9%, comparativamente ao quadriênio 2011-2014, administrado por  Agnelo Queiroz, do Partido dos Trabalhadores.

Já em primeira análise, essas cifras não deixam dúvidas quanto ao protagonismo da educação  em um e em outro projetos políticos.

De acordo com o Sistema Integrado de Gestão Governamental (SIGGO),  já nos primeiros três anos do governo petista,  o empenho liquidado para  obras, instalações e aquisição de equipamentos foi na ordem de R$ 121,5 milhões. A partir de 2015, entretanto, os valores empenhados  entraram em queda livre,  chegando à lamentável marca de R$ 67,5 milhões em 2017.

Governos comprometidos com a justiça social, com as relações democráticas, com a emancipação dos sujeitos em relação ao cárcere hegemônico da ignorância, elevam a educação ao patamar da prioridade, conscientes de que é ela o principal instrumento de promoção da igualdade de direitos, de eliminação da pobreza,   de exercício de cidadania.

Do lado avesso, governos comprometidos com a manutenção da pirâmide social e econômica que desvela o abismo entre ricos e pobres, com a comercialização dos serviços públicos e a desresponsabilização do estado em relação às necessidades de seus cidadãos, com a supressão de direitos da classe trabalhadora, com a ditadura do capital, igualmente conscientes do poder revolucionário que a educação evoca,  a sentenciam à morte… por  desmonte… silencioso e devastador.

Mas como contra fatos não há argumentos, não são apenas os montantes investidos ou desinvestidos  que expressam as intenções de governantes e seus projetos. A qualidade dos gastos denuncia o que está para além da retórica.  Alguns números gritam e confrontá-los é uma questão medular.

O simbólico desmaio por  fome,  ganha ainda mais significado quando associado ao tratamento dado por  Rollemberg aos profissionais e estudantes que ousam reivindicar seus direitos… A violência policial tem sido a  resposta corriqueira do governo às manifestações pela educação. Diante de sua incapacidade para o diálogo e para o reconhecimento do estado democrático de direito,  prefere a truculência das armas, das bombas, das tropas de choque; quando não da censura.

O descaso orçamentário e o desprezo pelo humano se tornaram marca registrada de  Rollemebrg e justificam sua escolha por um governo para alguns, pela política de estado mínimo,  pela manutenção de privilégios das elites,  pela opressão à classe trabalhadora. Não por acaso uma de suas primeiras medidas no cargo, foi batizar a gestão com o slogan “Governo de Brasília”, descartando o inclusivo  “Governo do Distrito Federal”. Nem as gestões mais coronelescas foram tão insolentes. Emblemático!

Mas, como no mundo real não há espaço para ilhas da fantasia, a república de Rollemberg segue ladeira abaixo, desgovernada…

Por uma educação libertadora, laica e democrática!

Lula Livre!

Lula 2018!

Eleição sem Lula é fraude!

*Olga Freitas é coordenadora do Setorial de Educação PT DF, integra a CAED PT e professora da Secretaria de Educação do DF, além de professora universitária

Anúncios

Deixe um comentário ou enviei um e-mail para: auldf13@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s